Café sem prosa em poema

Ao Donatinho, meu primo, pela saudosa inspiração em forma de poesia: "conhece a piada do não nem eu? Não? Nem eu". Que haja leveza na vida de seus filhos, e na sua.   O mundo acordou atrasado, corre, acelera e bufa, desvairado - calma, mundo, tá tudo bem. Eu pego o copo e tomo um …

Continue lendo Café sem prosa em poema

Anúncios

o ponto cego, o nó da costura do tempo e a solda improvisada com isqueiro

É certo, quase certo, que quando naufragar de vez esse nosso verde-amarelo submarino, terá vindo da avenida paulista a derradeira e decisiva rachadura. sabemos, como se soubéssemos, que é lá que se jogam no presente os trucos do passado e os blefes do futuro. é lá que se olham nos olhos os parceiros, certos de …

Continue lendo o ponto cego, o nó da costura do tempo e a solda improvisada com isqueiro

Combustão

Seremos, eu e tu, fumaça. Sabes, e é do tempo que seja quando for, quando será; que sejam nosso destino e acaso, de hoje em diante, magnânima entrega: entreguemos nome e idade e gravata e chapéu ao sabor do vento, ao corroer do tempo, ao explodir das bombas, ao rugir das ordens, ao correr dos homens, …

Continue lendo Combustão

INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA

A polícia veste terno, a polícia veste jaleco   O governo do Estado de São Paulo tem se mobilizado em busca de formas de agilizar a internação e o tratamento para dependentes de drogas, com um enfoque especial àqueles que ocupam “cracolândias” e outros espaços públicos marcados pelo uso de substâncias. Dia 21 de janeiro, …

Continue lendo INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA