Menino (parte 1 de Jardim Matilha)

1. O seu Agenor criou coragem e afundou-se no Fundão, a Cabrita como estrela-guia e a foice como apoio – foi assim que tudo começou. As gentes do Jardim Matilha encresparam-se, depois da burrada do Ditinho, com a vastidão de espaço perdida ao Fundão, ali por onde corria o Rio Bonito, há tempos já perdido …

Continue lendo Menino (parte 1 de Jardim Matilha)

Anúncios

Ressentimento (voragem)

A inquietação que me toma é filha do medo que eu sinto pela certeza que tenho de que jamais receberei o perdão necessário pelas minhas mais fantasiosas falhas - aquelas pelas quais é impossível sequer pedir o tão urgente perdão. Coço e roço e tremo e cuspo como posso, mas o medo me carcome a …

Continue lendo Ressentimento (voragem)

Deriva

Oi! Passo aqui, rapidamente, para compartilhar um espaço amigo: a revista literária virtual Deriva. A deriva lançou ontem sua quarta edição, cujo tema é intimidade. É possível acessar a página inicial da revista aqui. Nessa edição saiu um texto meu, chamado "O gênio ausente" (aproveito para agracecer à editora, Fabiane Secches, pelo convite), mas quero …

Continue lendo Deriva

Caixa 2

Por vezes me vem essa fantasia, portando consigo a angústia que ela veste: o mercado abre, o caixa atende a infindável procissão de velhinhos e outros clientes preferenciais, o mercado fecha e eu estou lá, os pãezinhos na mão, aguardando atendimento. Ou: faço meu cadastro na recepção do pronto socorro e sentamos na sala de …

Continue lendo Caixa 2

… numa terra muito, muito distante

O clima de tensão era praticamente visível: havia uma espessura, uma expectativa, a espera por algum tipo de catástrofe ou milagre, havia medo e um esforço obviamente inútil de pretender normalidade. Em geral não se via muita gente. Já era tarde, os trens pegavam pouca gente nas estações, os faróis paravam poucos carros junto às …

Continue lendo … numa terra muito, muito distante