Marvels: superpsicanalistas, autores canônicos e reles mortais

Dedico esse texto a quem teve aula comigo e a quem fez e/ou faz supervisão comigo - porque eu respeito muito vocês, e porque vocês me inspiram.     Todo mundo sabe que Freud explica; não só porque é o que diz o dito, mas porque tá na boca do povo: Freud, e a psicanálise …

Continue lendo Marvels: superpsicanalistas, autores canônicos e reles mortais

Anúncios

… numa terra muito, muito distante

O clima de tensão era praticamente visível: havia uma espessura, uma expectativa, a espera por algum tipo de catástrofe ou milagre, havia medo e um esforço obviamente inútil de pretender normalidade. Em geral não se via muita gente. Já era tarde, os trens pegavam pouca gente nas estações, os faróis paravam poucos carros junto às …

Continue lendo … numa terra muito, muito distante

Figo

Opa! Puxa, que bom revê-lo, menino! Cresceu, hein? Entra, entra, faz favor. Pois é, faz tempo. Bom que você veio! Quer um café? Passei agora há pouco. É, é mesmo. Então, sabe que desde que aposentei - faz dez anos já, acredita? - todo dia, de segunda a sexta, eu passo um café por volta …

Continue lendo Figo

Resenha de “Outubro”, por China Mieville

Título do livro: Outubro: história da Revolução Russa autor: China Miéville editora: Boitempo título original: October: The Story of The Russian Revolution (Verso Books) 352 páginas ano de publicação: 2017 Endereço para compra no site da editora: http://www.boitempoeditorial.com.br/v3/Titulos/visualizar/outubro China Mieville é um autor prolífico; é verdade que “Outubro” é apenas o terceiro trabalho seu a …

Continue lendo Resenha de “Outubro”, por China Mieville

Nanquim

Já antes do mergulho, entregue apenas à aparência e à vivência que evoca, já antes do mergulho o mergulho é um mergulho. É que o nanquim é de um negro profundo, é a presença brilhante de uma textura robusta, ostentosa, ciente de si, provocante. Já antes do mergulho, portanto, só pela perspectiva do mergulho, o …

Continue lendo Nanquim

À porta

Quando ele enfim nunca mais voltou eu pude, por um tempo, descansar. Pude olhar ao redor, pude olhar a mim mesma, pude ter medo, e então raiva, e enfim nojo - primeiro de mim mesma, mas depois, brevemente, dele. Contemplei, curiosa, a presença tão nítida dele em meus pensamentos. O nojo dele era uma presença …

Continue lendo À porta