Ora viva quem vive!

Um errante pode passar muito tempo, pode mesmo passar tempo demais, sem passar por onde deveria. Aí reside o risco do erro, e o fundamento para a condenação do erro: banindo-se o erro bane-se o risco do imprevisto, na medida em que o certo é esperado e o incerto frequentemente pega o cidadão no pé … Continue lendo Ora viva quem vive!

A musa e o monstro

Eventualmente pareceu-me evidente que, quisesse manter em bons termos a vida com a arte que me cava os ossos, teria de haver-me em confrontação, por bem ou por mal, com a necessidade de inscrever em meus dias o ócio. Ócio, veja, que me doi, posto que me expõe a esse aperto que é, de fora … Continue lendo A musa e o monstro

Na esquina da Borges com a Foucault, uma biblioteca

  Estava há muito tempo sem visitar meus livros de/sobre Nietzsche quando recebi o convite para escrever um prefácio para um amigo que escrevera um livro sobre o tema. Não poderia recusar o convite, e a oportunidade de reler e, principalmente, escrever a respeito até me animavam um pouco. Por isso, naquela terça-feira - nunca … Continue lendo Na esquina da Borges com a Foucault, uma biblioteca

Prolegômenos e desvarios para uma biologia endógena da escrita

  Tales Ab'Sáber termina a introdução de O Sonhar Restaurado dizendo: "ofereço ao leitor o trabalho de alguns anos de minha vida, na esperança de poder, de uma forma ou de outra, chegar a reelaborá-lo nos próximos, considerando então a contribuição criadora das leituras possíveis".   A colocação me fez repensar uma compreensão que por … Continue lendo Prolegômenos e desvarios para uma biologia endógena da escrita

Palavras têm gosto de nada

Para Jorge Luís Borges, que continuamente tem me surpreendido e mobilizado, são poucas as idéias - essas poucas idéias fazem-se muitas por serem pensadas de formas e ângulos distintos por homens distintos. Há escritores com tino para o efeito estético do uso das palavras, que transmitem aquela idéia que não é só deles de forma … Continue lendo Palavras têm gosto de nada