Loading “grandeza”… 50% complete

Olha só... eu me vi adulto, procurei bom senso, encontrei a curva, e achei melhor. Fui docilizado, nada em si errado, só uma etapa de um reencontro em um destempero futuro, quando isso tudo parecer menos mesquinho, mais assustador e eu do susto tirar coragem para fazer o que se sói fazer quando o tempo … Continue lendo Loading “grandeza”… 50% complete

Já há muito tempo não escrevo aqui. Tempo demais, talvez. Encontrei há alguns dias um amigo que se surpreendeu quando soube que eu postava em um mesmo blog textos de literatura e ensaios - ensaios tanto acadêmicos quanto políticos, para agravar; ele pergunta, sarcástico: "é como um querido diário, então?". Pode ser. Deve ser. Creio … Continue lendo

Vértices da alienação (2010)

Em Cidades Invisíveis, de Ítalo Calvino, Marco Polo narra a Ghengis Khan as cidades fantásticas que encontrou ao longo de suas viagens; cidades sem fim se seguem no livro, breves relatos, como se fossem sonhos, cidades não-todas, cidades-proposta, cidades-fantasia. Em meio aos relatos, Khan e Polo se desafiam, pensando se as cidades invisíveis são fato, … Continue lendo Vértices da alienação (2010)

Do Majestic ao Partenon

Inspirado no conto Abrir-se-vos-á, de Dayane Rodrigues:  http://palavrasbambas.blogspot.com/2011/10/abrir-se-vos.html?   A primeira coisa que o atinge é a dolorida consciência da luz, toda aquela luz!, da luz do sol no rosto - só na metade esquerda do rosto. Apertando os olhos ainda fechados vira a cabeça, raspando o rosto colado à almofada na direção oposta, e … Continue lendo Do Majestic ao Partenon

As muitas vidas dos muitos homens das muitas ruas ou Sutil desencaixe

Quando eu te encarei frente a frente e não vi o meu rosto Chamei de mau gosto o que vi, de mau gosto, mau gosto É que Narciso acha feio o que não é espelho E à mente apavora o que ainda não é mesmo velho   Pega uma revista Caras. Corre as páginas pelos … Continue lendo As muitas vidas dos muitos homens das muitas ruas ou Sutil desencaixe