Ode ao casal vão

Toda vida grita uma morte que lhe seja digna Que lhe escape aos acasos fixe os transtornos Encerre seus dias Toda vida grita uma morte que lhe seja digna Alheia ao ocaso dos deuses macabros Dos deuses otários, diabos, viados, Do deus só e macambúzio Que só amanhecia A vida grita uma morte que lhe … Continue lendo Ode ao casal vão

A flecha

Quem vive na cidade imagina muitas vezes que os povos indígenas a áreas florestais vivem perdidose em meio à mata fechada, errando em meio às árvores como escoteiros principiantes, tateando seus caminhos rumo ao rio mais próximo e, assim que possível, rapidamente de volta à aldeia, tementes de qualquer desvio que os condenaria a vagar … Continue lendo A flecha

O mesmo

Sabe aqueles avisos nos halls de prédio, dizendo para verificar se o mesmo encontra-se parado no andar antes de entrar no elevador? Bom, pelo menos por enquanto posso lhe dizer que pode ficar tranquilo, porque ele não está lá: está aqui comigo, em casa. Não sei como nem quando ele chegou – nesse sentido os … Continue lendo O mesmo

Deriva

Oi! Passo aqui, rapidamente, para compartilhar um espaço amigo: a revista literária virtual Deriva. A deriva lançou ontem sua quarta edição, cujo tema é intimidade. É possível acessar a página inicial da revista aqui. Nessa edição saiu um texto meu, chamado "O gênio ausente" (aproveito para agracecer à editora, Fabiane Secches, pelo convite), mas quero … Continue lendo Deriva

Caixa 2

Por vezes me vem essa fantasia, portando consigo a angústia que ela veste: o mercado abre, o caixa atende a infindável procissão de velhinhos e outros clientes preferenciais, o mercado fecha e eu estou lá, os pãezinhos na mão, aguardando atendimento. Ou: faço meu cadastro na recepção do pronto socorro e sentamos na sala de … Continue lendo Caixa 2