Vida Loka

Primeiro vem a pontada na cabeça – agora só a agulhada, já já explode mesmo. A língua tateia receosa a boca seca. Primeiro ele aperta os olhos, cria coragem, e então estrala os olhos, assim de repente.

Que casa é essa?

Ele está pelado, um lençol de seda bordô jogado cobrindo os pés. Alguém atrás dele, deitado – melhor não saber quem é. Será a menina da blusa de oncinha? Ela estava fácil, deve ser ela; ou algum dos caras do “triozinho feliz” da hora do sertanejo. Bom, seja quem for seria melhor para ele se deixasse quem quer que fosse ali e desse o fora o mais rápido possível. Levantando um pouco a cabeça ele mapeia as roupas principais dispersas pelo quarto e planeja sua fuga. A cabeça dá uma repuxada ardida do lado de baixo, o mais próximo do travesseiro – o dia promete.

Joga o corpo, cai já pegando uma meia e os sapatos ali ao seu lado, já vai ajeitando o corpo no rumo da saída, quando a cabeça explode. Ele sabia, já sabia, e mesmo assim dá uma cambaleada, a visão embaça, a cabeça pesa de novo do lado esquerdo e ele bambeia, o joelho parece que dói também, “que caralho eu fiz ontem?”.

“Ei, fujão!”; a menina ronrona, e ele já sabe que é a menina da oncinha, acabou de acordar e já está de cu doce.

– E aí. Então, preciso ir, tenho um projeto para hoje…

– Queria despedir…

– A gente se fala depois, agora não rola. Abraço!

Saiu do quarto antes de ver em que se transformou a cara de safada da menina – melhor assim. Filha da puta, como doi a cabeça! O papinho da menina deu o tempo de vestir a cueca e as calças, o celular e a carteira estavam nos bolsos, no elevador deveria poder vestir a camisa e os sapatos: tudo certo. “Casa chique, malandro!”, comenta ele ao aparador próximo à porta, cumprimentando a mobília de grã-fina da oncinha, a sala ampla e iluminada; no fim das contas o elevador dá pouco tempo a ele, provável que a oncinha morasse no primeiro ou segundo andar – passa pelo hall e pelo jardim do prédio abotoando a camisa, sapatos nas mãos. “Abraço, irmão!”, ele acena ao porteiro. Abaixa-se ao lado da portaria para vestir os sapatos e a cabeça lateja inclemente, ele quase cai, pende a cabeça para o lado esquerdo mais invocado, dá um soco na têmpora, chacoalha a cabeça, aperta os olhos… à farmácia, agora.

Acaba de levantar, pensando na farmácia, quando muda os planos – vê um táxi passando e acena.

– Vila Prudente, amigo.

– A essa hora? Ok.

Deve estar longe… merda.

– O metrô Clínicas é mais tranquilo?

– Clínica é do outro lado da cidade, irmão; se quer ir ao metrô posso te deixar no Tatuapé, ajuda?

– Se é o mais próximo pode ser, vamos lá.

Tatuapé, mano… oncinha paga de rica mas mora que é uma merda. O celular toca. É o Toco… puta, o projeto!

– Chora, Toco.

– Acordou já, donzela?

– Que é?

– O projeto é para hoje, Zóio, o homem é bravo, não queima a gente…

– Se o tal do homem ligar avisa que eu fui à casa da mãe dele e assim que terminar o serviço dela eu faço o dele.

– Para de graça, malandro, você sabe que a gente precisa da grana.

– Relaxa, Toco, tudo em ordem aqui. Abraço pra família aí.

Seis ligações, todas do Toco – que criança! Mensagem de voz… Toco também, certeza. Falcão no Whats, “de bobeira?”, Zóio manda um “cabeça explodindo, dei pt ontem, tô no leitinho hoje”. Aí o Zóio lembra que o Falcão pegou farinha nova um dia desses, biqueira nova, fita limpinha, desperdício… “bato um h em casa e colo aí, tem breja no jeito?”.

– Metrô Tatuapé, camarada. Trinta e sete reais e sessenta.

– Passa no cartão aqui.

A caminho do metrô avista uma farmácia. Compra um Engov, um Eparema, um Doril, um genérico para o estômago, um Monster de 350ml, um Gatorade – se tivesse uma virgem meio feinha no jeito sacrificava, como dizia o Toco (quando o Toco ainda fazia alguma coisa).

Metrô tranquilo, consegue até sentar – do lado de uma velha fedida, mas senta. Marcaram ele no Face, ele e a oncinha de pulseirinha e whisky-energético na mão; não reconhece o check point, balada esquisita, que horas será que foi isso? Estavam no The Week, que lugar era aquele? Se desmarca meio enojado, bloqueia a oncinha (Syllen, mano… Syllen! Vê se pode!). Reabre o e-mail com o projeto – coisa tranquila, cinquenta minutos e ele queima. O telefone toca – Toco, de novo.

“Porra, tá chato, hein, irmão? Qual é?”

– Você não vai fazer o bagulho, né? Já tá fazendo?

“Relaxa, tô bonito aqui, tá tudo em dia”.

– Tá fazendo o projeto ou não?

“Acabei de bater o olho, chego em casa e já despacho”.

– Concentra aí, ô ideia fraca.

“Ideia fraca é seu ovo, irmão, puxa o saco dos caras e eu faço o trabalho de gente grande, assim tá melhor, beleza? Eu me viro, lembra do meu trampo? Eu mando muito, irmão!”

– Para de viagem, Zóio, a gente não vai te segurar pra sempre.

“Então larga”.

Baldeia no metrô, compra três garrafas de água, a cabeça já não incomoda mais, sente os passos bem leves, quase como se ele flutuasse; o som vem meio abafado, ele testa e não é problema com os fones de ouvido, é ele mesmo – ouvido de merda.

“E aí, Tonho! Firme?”

Chega em casa. A mulher da limpeza passara lá na véspera, o apartamento está todo emperequetado. Liga o note, enche a última garrafa com água da torneira, escreve para o Falcão “termino aqui em meia hora, antes das oito colo aí… levo breja?”. Pega um Red Bull na geladeira, liga o som no dock e senta – é zerar o trabalho, coisa rápida.

A tela do computador toda embaçada… mexe no ajuste e o ajuste está embaçado também. Sente-se estranho de repente. Repara então que as mãos estão tremendo e suando. Passa as costas das mãos pela testa e repara que está suando, a camisa molhada e abotoada desigualmente. O peito aperta um pouco.

#1. Mãe. Discar.

“Mãe? Chama o SAMU, manda pra cá, acho que não destranq…”

O celular escapa das mãos. Ele inclina para pegá-lo e cai, o peito aperta, ele busca ar, o xixi aperta, muita água, nem vale tentar segurar, mijei no celular, já era… celular novo, mano… caralho.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s