Metido à Walcyr, metido a carrasco

Jamiroquai no mp3. A Paulista à minha frente, grandiosa. Gravata na mochila, mochila nas costas, terno jogado sobre o ombro – uma versão contemporânea, liberal do Rambo.

E me arremesso, destemido, em meio à massa.

Ao meu lado, no semáforo, uma moça. Bonita. Me olha – e eu, do canto do olho, vendo. Faz-me um bem sem tamanho, moça!

“Cosmic Girl/ can’t you be my cosmic woman”…

Verde; sigo meu rumo.

Ultrapasso um cachorro – parece labrador, não sei bem – passeando seu velhinho. Não parece que ele se diverte muito (o velhinho), mas o cão bem sabe que ele precisa desta diversão e deste exercício; o velhinho concede e ainda se faz passar por bom-moço.

Hoje eu posso, hoje é dia. O cinza do céu reflete o cinza do asfalto e do concreto, o cinza dos ternos dos apressados, contrasta com o colorido vivo das atrevidas roupas das atrevidas moças – um belo dia para ser paulistano.

Paro no Rei do Mate. “Um mate com leite e um copinho de pão de queijo”. “fica com o troco!”. “Ah, você não pode? Tá, então eu espero”. “Bom dia, bom trabalho!”.

Passeio os olhos na banca. O futebol… o diplomatique… InfoWeb… Você S/A. “Esqueço” o resto dos pães de queijo lá, do lado da Deborah Secco – doze é muito.

Mais um farol; danço miúdo com as pontas dos sapatos.  “We’ll spend the night together/ wake up and live forever”.

O farol abre e as calçadas se lançam uma contra a outra, os olhares certeiros se focam em seus trabalhos e esposas, as moças coloridas e os homens cinzas se misturam e completam em duas barreiras. O embate é inevitável, e eu nem vejo.

Um cinza, enorme e desajeitado como um – também cinza – elefante africano me “ombreia”; mais leve em vários sentidos, despreparado, seguro a custo meu ombro de um volteio 180 graus, à la catraca de banco. O fone de ouvido cai, bate no asfalto, eu tento coordenar a recuperação do fone com o olhar assassino (uma nova forma de satirizar o Rambo, inaudita) para o elefante africano; já não sei mais qual deles é o que me atropelou, e meu assassínio se perde na massa cinza.

O fone de ouvido dá um trabalho antes de ceder e encaixar na orelha, e eu me irrito.

A pasta do Jamiroquai acabou, e toca Johnny Cash.  “Well you wonder why I’m always wearing black…”.

Pulo a faixa, ponho “Hurt”.

 

4 de março

 

Anúncios

2 comentários sobre “Metido à Walcyr, metido a carrasco

  1. An interеsting discussion іs worth comment. I do tink thɑt you should publish more about tһіs subject
    matter, іt may not Ƅe a taboo mater bսt typically people do not
    speak аbout thes subjects. Ƭo thee next! Ᏼest wishes!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s