Pista de pouso sem número, área rural

Eu que não tenho. Que não teria. Eu, e as ideias que se me ocorrem, e que em geral são muitas.

Eu, que vivo e penso em meio a textos não escritos, quando me proponho a escrever escrevo, em geral, sobre nada.

Eu, que me encanto pela vida dos “cá dentros”, atento sempre à falácia de supor que haja um dentro a se opor a um fora. Eu pensando em endoptismos, endossimbioses, encriptamentos, melancolizações constitutivas, espectros.

Eu às voltas com meus fantasmas, guardando-os comigo, possessivo, cioso, avaro.

Eu um dia tive ideia de escrever um livro. Era menino, e a ideia era pouco mais que um brinquedo – mas enquanto menino, evidente que levava brinquedos a sério. E por isso vivia encantado a brincar com meu brinquedo, todo imbuído dos arremessos que habitam o pensamento de moleque: haveria a hecatombe, um setor inóspito da Austrália teria sobrevivido por força de ter erigido à volta de si um bunker; a vida humana teria seguido ali, despida de toda a mundanidade e propósito, e incontáveis tempos depois surgiria um sujeito anacrônico, o ponto de perspectiva para a distopia ranzinza que era afinal de contas meu propósito: o sujeito vindo do mundo pré-hecatombe, estranhando os sujeitos do tal futuro distópico. Comentei a ideia com a mãe de um amigo que disse “puxa, é igual o 1984 – toma, aqui tem um exemplar, dá uma olhada”.

Matou meu brinquedo.

Gostei do livro.

Mas o livro matou meu brinquedo.

E é por isso que eu sigo atento – eu que não tenho, que não teria: não teria se corresse o risco de querer ter. E é por isso que as ideias que tenho, enquanto posso, guardo-as comigo.

Não bem como o Álvaro, que dizia ter guardadas consigo filosofias que nenhum Kant escreveu – não isso, porque filosofias eu cá comigo não as tenho, não muito.

Tenho cá comigo histórias e pedaços de histórias, personagens e pedaços de personagens, gente quebrada e esboçada que me acompanha onde vou.

Meus brinquedos.

Quando os vejo, e eles me olham, dizem-me eventualmente que as aventuras que vivemos juntos existem, e que deveríamos querer que existissem – mas eu sei que não. O lugar delas é ali naquele campo esquecido, naquele pedaço de terra fora do que importa do mundo, lá onde Winston, em 1984, pôde viver o sonho de querer ser alguém na companhia de sua coadjuvante fiel, aquela cujo nome esqueço porque, infelizmente, é assim que há de ser. Lá junto a Winston e à moça cujo nome esqueço sento-me esparramado, contente em minha meninice alheia ao tempo, verto animado sobre a grama meus todos-meios-brinquedos, escrevo coisas que ninguém escreveu, aventuras ocorrem com a atemporalidade que lhes confere a pouca graça que tem, e somos felizes para sempre, ou ao menos, enfim, por um começo.

Um dia escreverei sobre a Geni, que ajuda o Menino a escrever a história do Jardim Matilha. Um dia escreverei sobre o Soldado Alice, que naquela que ele aprendeu a chamar de Grande Guerra descobriu o Túnel que levava ao outro lado da trincheira, onde o Exército Vermelho era exatamente o dele, que na verdade era (ou deveria ser) o Exército Preto, aquele de onde vinha. Um dia escreverei sobre o Pedro, o Pedro que escreveu uma tese sobre A Expressão do Indizível (sobre Wittgenstein) e que reencontra sua amiga de infância, que vive com o João que é um cara meio deprimido mas ganha dinheiro com sua página humorística da “Gina deprimida”. Um dia escreverei sobre criptomnésia e as artes da memória, sobre os aparentes equívocos no entendimento que se faz sobre Clausevitz ao se falar sobre tática, estratégia e política em psicanálise, escreverei sobre drogas e sobre tatuagem – filosofias não me ocupam, nem as de Kant nem outras quaisquer; isso que trago comigo na sacola já me diverte o quanto baste.

Mas nada disso é para hoje, ou ao menos não para agora. Por hoje, e por agora, contemplo Winston e a moça cujo nome me esqueço, sentados ali ao meu lado sob a sombra dessa mesma árvore. E fico tranquilo. E o tempo passa, devagar, e de repente agora eu era anti-herói, e não tinha cavalo, e só falava talvez.

Um comentário em “Pista de pouso sem número, área rural

Deixe uma resposta para adcarrega Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s