O homem da tempestade (uma parábola)

Há algum sinal de mudança, talvez – um esgar de claridade, um indício de duna.

Há uma presença do tempo, a insinuação de um tempo a existir, algo que só as bordas, a falhar, denotariam.

Algo disso ocorre ao Homem da Tempestade, ainda que, aparentemente indiferente, ele siga, sem rumo, como haveria de ser, mas decidido e certeiro como sempre.

A despeito do que há, e do que quer que seja que eventualmente haja, seu lar, a tempestade, estará consigo. Haverá, independente do que seja, haverá tempestade, caótica e criativa, indiferente e produtiva, insistente e evanescente.

Uma casa que ele leva consigo, ou que o leva consigo, uma casa que porta consigo todo o nada que ele é.

É possível que, eventualmente, algo mude. É possível, ainda que não faça sentido, como haveria de não fazer. Quando vier, se vier, o que quer que seja, será estúpido, externo, absurdo e definitivo.

Se um dia vier, ele já não será mais. Ele não pode não pensar que o que vier será errado, mas ele sabe que esse problema é seu, não importa, nem mesmo existe. Quando vier, o que vier, será o fim dele, e o errado que ele achar não será, tanto quanto ele mesmo já não será.

Talvez já esteja vindo. Talvez já esteja ali, consigo – afinal insistem, cá e lá, os esgares, indícios e insinuações. Parece haver algo para lá da Tempestade, algo estúpido e novo. Ainda assim, e obviamente, não importa: o Homem da Tempestade segue seu caminho, sem rumo e certeiro, eternamente até que um dia chegue.

Um comentário em “O homem da tempestade (uma parábola)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s