Por demos

Onde, quando estiver, onde?

Nessas largas ruas, nessas parcas calçadas?
No já não lembrar da terra soterrada?
No poder mudar por já não querer nada?

E se não?
E se por outros, loucos, caminhos?
Ou se não loucos, mas tão evidente, vergonhosamente outros?
Óbvios, e supostamente nossos?

E se pela ancestralidade?
E se não cosmopolita?
E se não erudita, estulta e bonita?
E se simples? E nossa?

E se por cuidarmos? Lembrarmos?
E se por querermos? De verdade; e estarmos.
E se não por aí?

Onde, quando for pra ser, onde?
E com quem, e como?

Não por aqui, pois que isso sabemos.
E que venha outro lugar, então. Em nós. Por nós.

Chegue. Um outro lugar, por um outro tempo, que venha. Pois aqui, já não estando, em outro, chegando – afinal, uma vez mais, por todas ainda, ainda que ainda única: chega.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s