A rosa

A Iara Iavelberg, que não conheci, que morreu, e a quem admiro Ana era uma mulher bonita, sempre achei isso. Mas naquele contexto, e daquela forma, seu rosto a um só tempo suave e ferino, delicado e decidido, parecia emanar algo da ordem da santidade. Ela cuidava do ferimento – apertava a ferida com a … Continue lendo A rosa

O homem triste

Por onde o homem triste passa, deixa atrás de si um rastro de fogo, chamuscando, como querendo apagar e tornar-se cinzas, mas que ainda por longos dias insiste, insiste, como se o calor que o consumisse emanasse do coração mesmo da terra. Imagina-se, porque faz sentido, que o rastro de fogo que o homem triste … Continue lendo O homem triste