Caixa 2

Por vezes me vem essa fantasia, portando consigo a angústia que ela veste: o mercado abre, o caixa atende a infindável procissão de velhinhos e outros clientes preferenciais, o mercado fecha e eu estou lá, os pãezinhos na mão, aguardando atendimento. Ou: faço meu cadastro na recepção do pronto socorro e sentamos na sala de … Continue lendo Caixa 2

Dá-me a tua mão #2

[Esse texto inscreve-se como comentário a "Dá-me a tua mão", publicado neste blog em 2012] Que a escrita seja, como dizem, solitária, pode até ser verdade - mas é ainda mais verdade que ela conjura sempre alguma companhia. Pode ser uma multidão, ou não. Pode ser um ou outro, ter ou não ter um rosto. … Continue lendo Dá-me a tua mão #2