A vida do Alcides, e a morte

Tinha acabado de recomeçar e já precisava parar de novo – menos de dez minutos, dessa vez, e o maldito tremor já estragava o corte da plaina. Ainda bem que não tinha pensado em nenhuma grandiosidade, nenhum recorte arrojado, imagine só, não terminaria! Olhou para a placa de madeira, já com os ângulos quase prontos. … Continue lendo A vida do Alcides, e a morte

Salve o samba, salve a alvorada

Gente de todo povo, povo de toda prosa, prosa de toda gente e a gente lá. A festa estava boa, estava boa pá, boa de se rir à toa, o povo a saracotear. Eu tinha te deixado ali às margens da banda, a saia baloneando, e fui comprar uma cerveja e encher o copinho de … Continue lendo Salve o samba, salve a alvorada